Ago 02

A POESIA DA DANÇA

Quando danço, não penso,

Quando penso não danço,

Porque a dança é emoção e não pensamento,

A dança é o movimento que as palavras não alcançam

O sentir do espírito, alma e corpo, numa só e única respiração, inspiro…sonho…sustenho…sinto…expiro…danço…

 

A dança é o que faz correr o sangue nas veias, 

A eterna energia que nos constrói, 

O pulso e o impulso que nos arrematam, acariciam, nos derretem, nos enfurecem, 

tudo num só gesto…num eterno e infinito movimento de sentir…as emoções!

 

A dança não tem país, nacionalidade, raça, língua, religião, cultura,

Porque a dança é de todos, é o que nos une, o que nos partilha, onde nos encontramos…unidos, num só corpo, pois …

a dança é.…Humana…Humanidade…Uma só Unidade…

 

A dança é a verdade partilhada da essência, porque o corpo não mente,

É o mostrar de quem somos e onde estamos, sem filtros, máscaras e defesas, no caminho da nossa evolução!

É aquela que revela a nós e ao mundo o que vai dentro, o que se move e como se move…

É aquela que por ser água, flui…

por ser terra, se manifesta…

por ser ar, quer ser livre…

por ser fogo, se doa em compaixão uma e outra vez…

 

A dança é aquela que acende a chispa do grande fogo do poder interno,

daquele lugar sagrado, onde nos acolhemos para olhar de frente os olhos do dragão,

Onde sentados e empoderados na sua crista, nos permitimos voar e derreter na liberdade do expandir, do vazio, do todo, 

ser um e não ser nada…em todos os lugares do nosso sentir!

 

A dança…é a dança! O movimento que a palavra e o canto não alcançam!

Quando a sede de partilhar é tanta, que o corpo se converte em alma e as emoções se derramam…se entregam…se doam…se espelham, em todos aqueles que nos partilham para se conhecer!

 

A dança é a vida, em poesia de corpo em movimento.

A pintura que se torna o pintor, a película que se torna o ator, a escultura que se converte em Ser…e dança a própria história…

 

E, na verdade, Tudo é dança, pois tudo Flui, tudo se move dentro e fora, tudo se espelha dentro e fora, tudo se toca, se conecta, se contrai e expande na grande rede, dentro e fora…no eterno pulso do coração cósmico que se expressa, experimenta, integra e se transcende…uma e outra, infinitas vezes transformando-se para se conhecer…

 

Tudo é impermanência, o eterno fluxo de uma dança que não tem princípio nem fim.

Atravessando todos os tempos, espaços, todas as dimensões e realidades, mas que simplesmente É… uma dança que um dia o criador ousou sonhar…

Bibi Fernandes