Mar 11

A IMPORTÂNCIA DA COMUNICAÇÃO CONSCIENTE

Apesar de a comunicação fazer parte do nosso dia-a-dia, poucos de nós fomos treinados para o fazer de uma forma mais assertiva, empática e de forma consciente.

Não comunicamos apenas por palavras.

A nossa comunicação não verbal, dá-nos também imensos indicadores que por vezes descoramos e podem fazer toda a diferença na hora de escutarmos e questionarmos, quer em situações profissionais, quer pessoais.

Cultivarmos uma comunicação consciente significa genuinamente estarmos atentos ao outro ou outros interlocutores.

Quantas vezes um tom de voz mais alterado, despoletou em nós uma ira, uma agressividade, versus se a mesma frase tivesse sido dita de outra forma?

Certamente teria feito toda a diferença. Existe uma máxima que diz: “Não é aquilo que dizes, mas COMO dizes, que faz a diferença.”

De seguida partilho contigo algumas dicas de como podes nutrir a tua comunicação e ligação com os outros, de uma forma mais consciente:

 

  • PRATICA A AUTO-OBSERVAÇÃO

Quando estás a comunicar, analisa como está o teu tom de voz, como os teus sentimentos mudam de acordo com o interlocutor que tens junto a ti, como reages perante algo que não te agrada.

Como estamos maioritariamente em piloto automático, não nos damos conta destas reações e do quanto podem afetar o rumo de uma comunicação.

Ao analisarmos as mesmas, mais facilmente trabalhamos a comunicação consciente. Faz esta análise com o teu marido, filho, parceiro e/ou colegas de trabalho e tenta fazer pequenos reajustes. Não queiras fazer tudo de uma vez e observa-te de fora para dentro.

Se estás por exemplo muito nervosa, em vez de gritares, baixa o tom de voz.

 

  • ASSUME A RESPONSABILIDADE PELOS TEUS SENTIMENTOS

Deixa de te tratar como uma vítima e assume apenas o que sentes, sem culpabilizar quem está do outro lado.

Quantas vezes não terás já ouvido: Não foi isso que eu disse; Percebeste tudo mal, etc.

Quando deixas de colocar a culpa no outro e assumes o que sentes, deves comunicá-lo sem culpar.

O teu papel muda completamente, pois não és vítima, mas sim consciente do que sentes.

Dizer por exemplo: Sinto-me rejeitada, é diferente de dizer tu nunca me escutas, nem prestas atenção.

Dizer esta mesma primeira frase num tom de voz calmo, assertivo e olhos nos olhos, pode fazer toda a diferença versus a segunda opção.

 

  • DESENVOLVE A ARTE DE RECEBER

Muitas vezes quando comunicamos, sentimos que temos de estar sempre a dizer algo, a mostrar que somos entendidos no tema e em muitos casos a mostrar que somos melhores.

Na arte da partilha existe algo mágico, que é a escuta ativa.

Costumo dizer que temos duas orelha e uma boca, exatamente porque devemos escutar mais e falar menos.

Quando trabalhas a arte de receber e a comunicação consciente, queres receber o máximo de informação, interessas-te genuinamente em escutar, questionas quando tens dúvidas, mostrando interesse e focas o teu diálogo na construção e solução.

Isto não quer dizer que tenhas de estar de acordo com tudo, mas sim que te preocupas primeiro em escutar os diversos pontos de vista, para depois partilhares a tua opinião, baseada em factos, e não observações/achismos, de modo fazeres crescer relações sólidas e mutuamente enriquecedoras.

Teresa Rosalino